Publipost e Conar

E no post de hoje falaremos mais sobre Publipost (publicidade em redes sociais) no instagram, entenda o que é o Conar e o que você não deve fazer para seu nome não ir parar neste site, se você tem interesse em ser influenciadora digital ou curiosidade sobre o assunto, leia mais. 

Conar e influenciadoras


  • O que é o Conar ?
O Conar (Conselho Nacional de Auto Regulação Publicitária) é o orgão que pertence a Abap e é responsável monitorar ou julgar digamos se a publicidade seja está na internet, TV ou em impressos segue as regras de ética, se está não é enganosa e nem abusiva. Ele foi criado em 1950, coincidência ou não a TV chegou ao Brasil nesta década e com ela um novo tipo de publicidade, que até então estava presente apenas no rádio e impressos. 


  • O que o Conar faz ? 

A descrição a seguir foi retirada do site Wikipedia e está bem escrita, logo fácil de entender. 
A atividade desenvolvida pelo Conar visa a evitar a veiculação de anúncios e campanhas de conteúdo enganoso, ofensivo, abusivo ou que desrespeitam, entre outros, a leal concorrência entre anunciantes. A entidade não tem "poder de polícia"; não pode mandar prender, não multa, não pode mandar devolver dinheiro ao consumidor ou mandar trocar mercadorias. O foco é a ética na publicidade e, neste campo, ela pode evitar excessos e corrigir desvios e deficiências constatadas nos anúncios. (fonte: Wickpedia

Logo para você NÃO virar alvo do Conar é necessário seguir o que está descrito no paragrafo acima. Geralmente os casos de publicidade indevida chega até o Conar, devido as denúncias feitas pelos consumidores, você viu uma publicidade e acha que há irregularidade, se sentiu lesado de alguma forma, logo é seu direito caso queira levar este caso até o Conar que vai julgar se houve ou não irregularidade.

Veja algumas situações onde influenciadores e artistas (não importa se você é um global ou não, o Conar pode puxar sua orelha se achar algo indevido no seu publipost). 


  • Publipost e Blogs - Como tudo começou 
A história do Conar com a fiscalização na internet já é antiga, ao que tudo indica começou em 2012, quando os blogs ainda tinham força na internet como principal meio de divulgação de Life Style

Então no caso um print de uma matéria da época onde consumidores fizeram denúncias ao Conar, sobre três blogs (de blogueiras super conhecidas no segmento de moda e beleza, hoje elas estão no instagram), que teriam supostamente publicados posts com textos semelhantes, sobre algumas marcas que estavam sendo vendidas em uma loja de cosméticos. Na matéria publicada em 2012, vem descrito que quela seria a primeira vez, que o Orgão investigava publicidade em formato de Publipost. 



Conar e blogueiras

A imagem acima é de uma notícia da época, no site do Conar você encontra todas as denúncias, a decisão final deste caso foi uma advertência. 

No post anterior Publipost - O que não fazer (vale a pena ler) mencionei brevemente sobre o Conar, que contestou alguns publiposts da Bruna Marquezine, na época as publicidades estavam supostamente sendo publicadas sem serem indicadas como tal. 


  • Publi e menores de idade
No caso abaixo a polêmica também aconteceu em um blog no ano de 2012, devido ao fato do produto em questão (apesar de ter sido marcado como publipost) não poder ser consumido por menores de 18 anos e uma vez que este público teria acesso a este site, deveria haver na descrição do publipost o aviso: Produto indevido para menores de 18 anos e não havia esta informação, logo o publipost, foi denunciado por 65 pessoas ao Conar. 

O processo foi julgado no prazo de 30 dias e nestes casos tanto as influenciadoras e as empresas podem preparar suas defesas, nesta história foi definido que a blogueira deveria colocar a informação em questão no post. 






  • Quando a Propaganda dá errado 
Essa mesma marca de cerveja também sofreu outra denuncia, pelo fato de outra influenciadora ter publicado uma foto no instagram, com o produto sem marcar esta como Publicidade, os consumidores denunciaram devido a isso e também pelo fato do produto não ser indicado para menores de 18 (o mesmo problema do blog, não havia isso na descrição), em defesa a empresa da Cerveja, alegou não ter contratado publicidade e que a influenciadora a fez de livre e espontânea vontade, uma vez que as cervejas eram vendidas em seu estabelecimento, onde está a tarja de cor vermelha, era o nome do estabelecimento e as demais pretas o nome do produto, a influenciadora por sua vez descordou da empresa de Cerveja e admitiu ter feito publicidade velada e o Conar julgou o caso como advertência e alteração. 





O que acontece muitas influenciadoras, divulgam produtos nas redes sociais por vontade própria, muitas vezes para chamar a atenção das marcas, se o post gerar resultado, a empresa pode contratar a influenciadora para futuras campanhas. 
  • Produto com pendências
No caso abaixo o problema não foi a indicação de Publipost, mas sim o fato que o produto estava com questões pendentes com a legislação sanitária e a influenciadora, precisou apagar o post, em sua defesa no site do Conar tem as informações, ela alega ter sido contrata como garota propaganda da marca e que publicou o texto (informações) passado pelo contratante, realmente a culpa não foi dela, porém a publicidade terminou no Conar. 




Abaixo um caso que não tem nada haver com redes sociais, ele aconteceu com um comercial de TV, só para vocês entenderem que qualquer tipo de publicidade em qualquer mídia pode ir parar no Conar. No caso o produto em questão é voltado para o público infantil e adolescente (menor de idade), no caso da Cerveja também havia restrição de idade, logo o cuidado deve ser redobrado ao fazer Publipost, de produtos que envolvam esta questão.




Conar comercial TV


  • Publipost da forma Correta 
A idéia deste post é explicar o que é este Orgão e o que você pode evitar para não ser notificado por este, posts precisam sempre ter a indicação, no instagram já existe a opção de você marca-lo como publicidade, você também pode usar as tags #publi, #publicidade ou #ad. 

Há uma teoria que Publiposts acabam tendo supostamente menos visualizações ou likes do que posts que não são assinalados como tal.

Por exemplo, a foto de um publipost de uma atriz global (que é uma publicidade devidamente indicada), tem 74 mil visualizações, enquanto outras fotos dela com a família ou em momentos de rotina tem bem mais visualizações, este fato é um exemplo de uma teoria que existe sobre o motivo pelo qual alguns influenciadores não marcam seus posts como #Publi, o que é caracterizado como publicidade velada e daí o Conar entra em cena.

Também existe a possibilidade de muitos talvez não terem a informação da existência do Conar e informações de como e porque publicidades devem ser indicadas. 

Este universo de influenciador digital é uma nova profissão, logo a chance dos profissionais errarem por falta de conhecimento e informação é maior, no exemplo que mostramos no inicio do post (de 2012), são de uma época onde o Publipost ainda estava começando. 

O objetivo deste post é passar informação para os interessados neste universo, usamos matérias retiradas de sites de celebridades e consultas no próprio site do Conar, tivemos o cuidado de não expor as marcas e produtos (por isso as tarjas), pois nenhuma empresa quer ver seu produto com denúncia no Conar (no site há informações sobre as denúncias e defesas das empresas e influenciadores e também a decisão que foi tomada sobre o assunto), logo em respeito a estas resolvemos não mostrar os nomes dos produtos e empresas. 

Comentários

Nossas Redes sociais