O Clone: Casamento no Marrocos

E o assunto do dia são os vestidos de noivas da Jade, Latiffa e Rania e a cerimônia de Casamento no Marrocos retratados na novela O Clone (2001). Relembre ou conheça este grande sucesso e algumas curiosidades sobre o que é realidade no enlace desta cultura e o que foi adaptado para a novela.


Jade vestida de noiva em O Clone


  • Sinopse 
O Clone foi uma novela do inicio dos anos 2000, de grande sucesso, nesta é retratada a cultura muçulmana através da protagonista Jade (Giovana Antonelli) seguidora do Islã que se apaixona pelo não muçulmano Lucas (Murilo Benicio).

Durante a trama tivemos cinco casamentos muçulmanos, retratados no Marrocos país árabe tradicional, localizado na África. Em comemoração antecipada aos vinte anos (completos em 2021) do lançamento da novela estamos fazendo posts sobre esta, como o dos Figurinos da Jade.

  • Casamento Latifa e Mohamed 

A trama teve início na década de oitenta quando Jade (Giovana Antonelli) após a morte da mãe, vai para o Marrocos morar com seu Tio Ali (Estênio Garcia) e sua família, o primeiro casamento é o da prima Latifa (Leticia Sabatella) com o Mohamed (Antoni Caloni), na verdade Latifa iria se casar com Said (Dalton Vigh) porém ambos tiveram a mesma ama de leite, quando criança logo seriam considerados irmãos, assim ela se casou com o irmão do Said.


Casamento Mohamed e Latifa O Clone
Mohamed (Antonio Caloni) e Latifa (Leticia Sabatella)



Este fato apresentado na novela é verídico, o casamento no universo muçulmano é visto como um acordo (tanto que um contrato é feito), logo as mulheres não tem este conceito ocidental de amar alguém para se casar. A Latifa não amava o Said inicialmente por isso que ela não se importou de trocar de noivo.


Latifa com as mãos de henna em O clone


Na véspera do casamento começa a noite da Henna, quando as mulheres preparam a noiva para o grande dia, elas pintam desenhos na mão desta e também nos pés, estes servem para afastar mau olhados da noiva. E sim este fato é verídico, além do fato que no dia do casamento a noiva não pode sair de casa. Porém o que encontrei em pesquisas é que o casamento muçulmano no Marrocos, dura três dias e que este costume é feito no segundo dia, também achei uma reportagem, que retrata uma noiva tendo as mãos pintadas durante a cerimônia de casamento. 


Veja que ela está sem o véu (na verdade em todos os casamentos muçulmanos da trama isso ocorre), em pesquisas realmente encontramos a maioria das fotos e reportagens sobre casamento no Marrocos, de noivas sem o véu, apesar do Islã recomendar que a mulher use este, uma explicação que encontrei é que no dia do casamento (apenas neste dia) a noiva pode mostrar sua beleza, para que todos vejam o que o noivo está desposando. Seria a primeira vez que o noivo a vê sem o véu também. 


Latifa e Mohamed em O clone



Assim mesmo isso não parece ser uma regra, na novela Orfãs da Terra (2018), Laila (Julia D´llavila) em seu quase casamento com o Assis (Herson Capri), aparece de véu, a história ocorre no Líbano, na década atual. Como vocês podem ver o vestido da Laila é mais semelhante ao estilo de vestido de noiva que conhecemos, enquanto o da Latifa e das demais personagens de O Clone, a vestimenta é seguida por uma túnica, reparem que ambos tem muito bordados. Acredito que o bordado seja uma característica do mundo árabe, lembram do estilista Elie Saab (tem post dele aqui no site).


Laila vestida de noiva em Orfãs da Terra
Laila (Julia D´Lavia) em Orfãs da Terra

  • Casamento Jade e Said 

O segundo casamento é o da Jade (Giovana Antonelli) com o Said (Dalton Vigh), o que gerou todos os conflitos da novela. Na novela foi retratado que a protagonista estava sendo obrigada a se casar com o noivo escolhido por seu tio. Já na época desta trama (2001), algumas entrevistas com muçulmanos, foram publicadas onde estes alegavam que as mulheres poderiam dizer não, a um pretendente.


Jade e Said cena casamento


Uma das fontes que usei para a pesquisa foi o canal Sobrevivendo na Turquia da Danny Boggione, neste tem alguns videos de brasileiras que se envolveram com marroquinos, em um dos videos uma convidada, conta a história de uma moça que se envolveu com um rapaz que foi prometido para a prima pela família, logo este costume é real, apenas não sei exatamente se é muito comum nos dias atuais ou não, uma vez que em 2004 (a novela passou em 2001/ 2002), o código civil Marroquino foi atualizado dando o direito as mulheres a consentirem ou não o casamento com alguém. 

Em pesquisas o que encontrei sobre o assunto é que a família precisa aceitar o noivo ou a noiva, casar sem o consentimento dos familiares é algo difícil de acontecer até nos países muçulmanos mais modernos. Porém a mulher ou o homem podem escolher seus maridos, desde que a família aceite, namoro é algo que não existe no Islã, o casamento é um contrato.


Tanto que na cena do casório da Jade com o Said, o tio Ali e o noivo estão na sala selando o acordo entre as famílias, e a noiva está em outro aposento com as mulheres e um pessoa vai perguntar a ela se ela aceita o enlace, este fato é real
além do pai da noiva ou responsável é preciso ter testemunhas, porém a noiva pode ou não estar presente quando o contrato é selado, no caso da novela a Jade estava em outro aposento.


cena de O clone Casamento mulheres na sala
Cerimônia casamento muçulmano em O clone 


E além do vestido branco, a Jade (Giovana Antonelli) aparece com outra vestimenta, sendo carregada. Sim este fato também é verdadeiro, a noiva pode trocar de roupa até sete vezes e seu vestido pode ser ou branco, verde, vermelho. As várias vestimentas representam a nova fase de vida que esta por vir.


Jade sendo carregada em seu casamento



Eu não saberei explicar a origem exata da roupa que a Jade está usando nesta cena, porém acredito ser uma vestimenta típica de noivas, no Oriente Médio milenar, uma vez que na minissérie O rei Davi, a Mical (Maria Ribeiro) primeira esposa de Davi em seu casamento também usa uma roupa com esta espécie de Coroa, Davi para quem não sabe foi rei dos Judeus, Mical era filha de Saul rei de Israel na época do casamento.


No filme Alexandre o Grande, a Roxana esposa de Alexandre também em seu casamento usa na cabeça uma peça seguida de véu bordado semelhante a da Jade e ela pertencia ao povo Báctria (na época localizavam-se na região Persa, atualmente local onde situa-se o Tajiquistão).


três personagens mical, roxana e Jade e suas roupas de casamento



Outro fato retratado no casamento da Jade com o Said, foi a presença da família após a noite de núpcias, na novela assim que a festa acaba o casal vai para um aposento e a família fica esperando do lado de fora, para verificar se a noiva realmente era virgem.


Achei uma matéria sobre o Ubezquistão, retratando que durante a noite de nupcias parentes ficam no quarto ao lado, ouvindo os noivos, ou seja, o fato não é irreal porém não sei se é comum nos dias de hoje, ou até nos anos 2000, me pareceu ser algo que não é um costume frequente na maioria dos países muçulmanos, existiu e ainda existe porém talvez em lugares mais tradicionais. 


  • Casamento Rania e Said 

Já na segunda fase da novela que acontecia em 2001, após uma passagem de vinte anos, temos o casamento do Said (Dalton Vigh) com a Rania (Nivea Stelman), na verdade a personagem iria ser a segunda esposa do Mohamed (Antonio Caloni) porém o casal Mohamed e Latifa fez tanto sucesso, que a autora Glória Perez resolveu mudar a história, então após perder a paciência com a Jade que só desfazia do marido, o Said resolve ter a segunda esposa.


Rania vestida de noiva em O clone


Um detalhe interessante que deve ser ressaltado, veja que nos dois casamentos do Said ele está de terno e a noiva com os trajes tradicionais, sim este um fato verídico, os homens podem usar ternos ocidentais no casório. Veja que interessante a diferença da roupa do Said, no primeiro casamento ele era um pequeno comerciante, tinha uma loja em Fez (cidade marroquina) e no segundo casamento ele é um mega empresário.


Said e Jade cena casamento
Said (Dalton Vigh) e Jade (Giovana Antonelli) 


said e rania conversando no casamento
Said (Dalton Vigh) e Rania (Nivea Stellman) 


  • Sobre ter a segunda esposa

Na vida real para isso ocorrer a primeira esposa, precisa autorizar, uma vez que será ela quem mandará nas demais esposas, a não ser que conste no contrato de casamento que o noivo, poderá ter uma segunda esposa.

Na novela foi retratado como se o homem pudesse tomar esta decisão por conta própria e assim foi feito. Detalhe que os noivos não se conheciam, na cena do casamento a Rania, comenta como é bonito o noivo que seu pai conseguiu para ela, ou seja, passa a idéia que ela nunca tinha visto ele antes.
Pelo pesquisei, em muitos casos quando o homem tem duas esposas, cada uma tem sua casa (em algumas situações), o que ele compra para uma precisa compara para outra, isso foi retratado na novela e sim é verdade, apesar do fato do Said morar com as duas esposas na mesma casa.

A pratica de ter até quatro esposas, surgiu na época do profeta Maomé, pois devido as guerras, muitas mulheres ficavam viúvas e não tinham como se manter ou até mesmo sem pretendentes a maridos.
Assim mesmo esta pratica não é tão comum, a maioria dos muçulmanos tem apenas uma esposa, na Turquia por exemplo é um país muçulmano moderno é proibido a poligamia.


  • Casamento Jade e Zein 

Após se divorciar da Jade, o Said decide se casar com ela de novo, porém a novela retrata isso como impossível, a não ser que Jade tivesse outro casamento, logo ela é obrigada a se casar com o amigo bonitão do Said o Zein (Luciano Szafir), um muçulmano nada religioso que aceita casar com a protagonista sem nem conhecê-la, apenas para viver o dia do casamento.


Jade (Giovana Antoneli) em O clone


Encontrei uma entrevista da época da novela, dizendo que este fato seria ficção que o Said poderia ter a Jade como esposa novamente, logo em seguida. 

A respeito do divórcio, o fato é verídico, para se divorciar é necessário dizer eu te repudio (talak) três vezes, isso foi o costume apresentado na novela. 

 Em pesquisas encontrei que este costume faz parte de países como o Paquistão (que tem origem no império Mongol e Afegão e está localizado no Sul da Ásia ou seja não é Árabe) onde é necessário para o fim de um casamento, o marido dizer na frente do chefe da Igreja, que repudia a esposa três vezes.

Na novela o Said (e até mesmo o Zein depois) repudia a Jade sem a presença do representante da igreja ou de testemunhas, no caso do Zein os dois estavam sozinhos quando isso aconteceu. 
Logo acredito ser apenas uma adaptação do costume para o mundo da árabe da Glória Perez. 


o personagem Zein na novela O clone
Zein (Luciano Szafir) 

 Em 2004 (anos após a novela), houve uma atualização no código civil do Marrocos (Mudawna), onde a mulher ao se divorciar, agora tem direito a partilha de bens, antes saia sem nada e também direito ao divórcio, elas não podem se casar antes dos 18 anos, o marido só pode ter mais de uma esposa com a autorização da mulher e do chefe da igreja (tem que ter um motivo para isso). 

Também encontrei a informação que existem dois tipos de dote, um que é acordado antes do casório e outro que seria em caso de divórcio e viuvez, para a mulher não ficar desamparada, tudo isso é combinado antes da união do casal. 

Em primeiro momento o que poderá valer em alguns países muçulmanos é  a Sharia lei islâmica que estaria a frende do direito jurídico, logo valia apenas o que a religião dizia (o Paquistão segue esta).  

Voltando a novela, na cena deste casamento a Jade dança para o Zein (Luciano Szafir) na noite de nupcias. A dança do ventre, foi retratada na novela, porém esta é de origem Egípcia e não marroquina, este fato foi ficção não esta atrelado a cultura muçulmana, a dança tem origem Arábe (Egípcia), porém encontrei relatos que em restaurantes onde há dançarinas estas só podem dançar para estrangeiros. 


O clone jade dança do ventre


Ambos os personagens Jade e Zein são egípcios, talvez por isso a dança foi atrelada a novela e a eles, também pelo fato que a principio a idéia seria usar o Egito como pano de fundo da trama, o que ajudaria a divulgar o turismo no país, porém a emissora não conseguiu autorização do país para gravar lá, logo mudou a história para o Marrocos. 


  • Casamento Tio Ali e Zoraide

E no último capítulo temos o casamento do Tio Ali (Stenio Garcia) com a Zoraide que era a funcionária da casa e fiel escudeira da Jade. A noiva troca o ouro que deveria ganhar do noivo, pelo perdão para Jade para que ela fosse aceita novamente na família. E sim a noiva realmente ganha um presente de noivado, há uma cerimônia de noivado, que no caso não é retratada na novela.


o clone último capítulo casamento ali e zoraide festa


Como mencionei ao longo do post, o casamento é um contrato, logo um dote existe, antigamente este era feito através de uma quantia em dinheiro, lembram da cena da Ivete (Vera Fisher) no Marrocos, que o árabe queria dar uma carreira de camelos por ela.

Pelo que pesquisei na atualidade, o dote ainda existe porém ao invés de dinheiro, a família pede imóveis, jóias, carro a idéia de dar bens materiais pela noiva é real. No caso da Zoraide como ela não tinha família, não havia dote, provavelmente.


Este post foi escrito através de inúmeras pesquisas: matérias da época da novela e atuais sobre o universo árabe, usei também videos do canal Sobrevivendo na Turquia (como referência) caso haja alguma informação incongruente, deixe um comentário que nós corrigiremos.


LEIA TAMBÉM:


Referências:

Imagens do post: Página do Facebook - O Clone  (dedicada a novela tem bastante coisa sobre outros personagens e fotos de bastidores). 

Comentários

Nossas Redes sociais